O IEEE WIE Unicamp abriu ontem o ciclo de eventos que serão realizados em outubro para comemorar seus três anos de formação.

Horas antes do início da palestra da palestra da Profa. Dra. Gláucia Pastore, pró-reitora de pesquisa da Unicamp, o evento parecia ter adquirido um novo significado. A reitoria da Unicamp havia sido invadida na noite anterior e, durante a manhã, recebi vários telefonemas onde me perguntavam se a palestra ia mesmo acontecer ou não.

Junte-se a isso o fato de ter sido anunciado na mesma semana a queda da USP e da Unicamp no ranking THE, e parecia mesmo que teríamos assuntos prá lá de interessantes para conversar com a Profa. Gláucia.

No horário marcado, lá estava a grande figura da Profa. Gláucia.

Bastante atenciosa, cumprimentou a todos pessoalmente e deu algumas declarações para a Assessoria de Imprensa da Unicamp, que estava presente.

Perguntei se ela teria a necessidade de utilizar o projetor. Ela disse que não, indicando que a história a ser contada, ela sabia de cor (ou melhor, de coração).

E assim, em aproximadamente uma hora, a Profa. Gláucia compartilhou a história da sua vida conosco. E que história!

Para mim, ouvir alguém com tanta experiência contar sobre sua vida sempre parece ser algo mágico. Em poucos minutos fomos remetidos para épocas e situações que não vivenciamos, mas que o tom de voz e as expressões da professora nos faziam sentir tão emocionados quanto ela.

E assim ela nos transportou para um Brasil que vivenciava o milagre econômico e quando a pesquisa brasileira vivia um tempo de “vacas gordas”. Ela contou duma época em que CNPq e CAPES não existiam, assim como não existiam os fortes programas de pós-graduação que temos hoje. Ela também contou sobre suas experiências no exterior e o quanto aprendeu com elas, tentando trazer parte deste aprendizado para o seu dia-a-dia, para o Brasil e para a Unicamp, quando foi Chefe de Departamento e Diretora da FEA-Unicamp por duas vezes. Ela contou do sentimento “atávico” de defender a pátria que surgiu quando os americanos queriam patentear uma tecnologia produzida com o trabalho de brasileiros e sobre como nem sempre é possível fugir de conflitos.

Permeando toda a sua história, ela falou sobre como, para alguns, o  caminho da vida parece ser uma missão, uma febre que não tem como não ser tratada, que nos empurra para aquilo que temos vocação e paixão, no caso dela: a Bioquímica. Mas ela também chamou a atenção: é preciso ter inteligência e ser observador para identificar as oportunidades que aparecem pelo caminho. Além disso, as palavras estudo e trabalho duro estiveram presentes em todas as etapas da sua vida.

Dando um final dramático à sua palestra,  a professora contou da invasão da reitoria e como ela havia ficado encurralada na noite anterior no prédio da pró-reitoria de pesquisa. Descrevendo as cenas da invasão, ela lamentou ver o patrimônio da universidade ser destruído, incluindo processos administrativos de convênios internacionais e como, com o nervosismo resultante, ela entrou numa crise de arritmia cardíaca e teve que ser regastada pelo seu marido.

Ao responder as perguntas da plateia, a Profa. Gláucia comentou sobre a queda no ranking THE e como isso pode estar relacionado à dificuldade da Unicamp de coletar dados acurados sobre a produção científica de seus pesquisadores. Além disso, ela apontou que, como pró-reitora, vem trabalhando para que a Unicamp tenha direções bem definidas de pesquisa, permitindo planejar onde queremos estar no futuro. A parceria com a indústria também foi comentada, bem como a importância de se equacionar a interação entre universidades e empresas.

Por último, a Profa. Gláucia quis nos presentear com duas palavras a serem incorporadas em nosso vocabulário: TENACIDADE e TIROCÍNIO.

Termo que vem da resistência dos materiais, um material com alta tenacidade é aquele que tem alta resistência à ruptura. Segundo a Profa. Gláucia, assim também devemos ser em relação aos nossos projetos: não aceitarmos facilmente um NÃO como resposta, sermos obstinados  e altamente tenazes.

O tirocínio, por sua vez, é a capacidade de utilizar todos os seus sentidos e sua experiência anterior para encontrar soluções em meio à dificuldade.

Não deixe de participar dos nossos próximos eventos!

Paula Paro Costa

Doutoranda da FEEC-Unicamp

Chair IEEE WIE Unicamp, 2012

Secretária IEEE WIE Unicamp, 2013

Tenacidade e Tirocínio
Classificado como:                        

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *